Poesias

AMOR À OUTRA TERRA

Volto no tempo
e relembro o dia
em que te conheci.
Foi amor a primeira vista,
e aquela linda imagem,
eu jamais esqueci.
Sei que
aqui marquei
minha passagem,
pois aqui
nasceu e brotou
a semente
do meu amor.
30.08.86)

Com esse poema, em 1986, fiz uma homenagem à Blumenau.
Essa cidade me recebeu de braços abertos e onde vivi por mais de 29 anos.
Cidade onde estão meus filhos e meu pai (enterrado).
Cidade que me fez, em 1980, junto com a família, recomeçar (2,30 metros de água dentro de casa) e novamente em 1983 e de novo em 1984.
Cidade que assistiu meu crescimento Espiritual, Cultural e Intelectual.
Cidade que assistiu o crescimento de meu nome literário e que por motivos particulares tive que abandonar e onde deixei grande amigos.
Fico triste em ver, desta vez, de longe, a tragédia que mais uma vez se abate sobre seu povo.
Só quem viveu a tragédia de perder tudo, consegue entender a situação que mais uma vez o blumenauense vive.
As imagens dos jornais e televisão não conseguem transmitir a realidade da situação de tristeza e sofrimento que passam as pessoas residentes no município.
As perdas são sentidas por TODOS os habitantes, tenham eles sido atingidos ou não pelas águas do Rio Itajaí.
Deixo aqui meu depoimento e minha solidariedade à população blumenauense que estará eternamente em meu coração.


25/11/2008

 

 

Todos os direitos reservados a Neida Rocha. Os textos podem ser copiados, desde que citado o nome da autora

site desenvolvido pela wwsites - sites para escritores